Fundamentos para a Antecipação da Provas

A antecipação da prova pode ser requerida nos casos em que haja fundado receio de que venha a se tornar difícil ou impossível a verificação de determinados fatos no curso do processo (CPC/15, art. 381, inc. I). Trata-se da hipótese tradicional de produção antecipada de prova, em que há risco de que a prova não possa ser adequadamente produzida (ou tenha se tornado inviável) no momento da sua produção no curso de um processo. Exemplo disso é a testemunha de idade avançada e com saúde fragilizada, que é ouvida antes da fase instrutória, sob pena de a sua oitiva não ser mais possível no momento da audiência de instrução e julgamento.

Mas há ainda outros dois casos em que o CPC/15 autorizou a antecipação da prova sem o requisito da urgência.

O primeiro consiste na possibilidade de a prova a ser produzida ter a potencialidade de viabilizar a auto-composição ou outro meio adequado de solução de controvérsias (CPC/15, art. 381, inc. II). Tal hipótese está em consonância com a diretriz fundamental do CPC/15, que estimula a resolução consensual dos conflitos (art. 3º, §§ 2º e 3º). Nesse caso, as partes serão as destinatárias principais da prova. A partir dela, terão mais elementos para construir um acordo ou desenvolver uma proveitosa mediação.

O inciso III do art. 381 do CPC/15 admite a antecipação da prova como forma de a parte obter prévio conhecimento dos fatos. Também não se cogita de urgência ou da controvérsia existente no âmbito do direito material. O objetivo é obter um lastro probatório mínimo. Trata-se de hipótese em que, a partir da prova, as partes poderão avaliar suas chances de êxito em futura demanda (judicial ou arbitral). Disso decorre que a antecipação da prova poderá conduzir as partes a eventualmente não proporem demanda alguma.

Fonte:

NOVO CPC e ANTIGO CPC

e ainda (migalhas) encurtador.com.br/fgosA

Contato 24 Horas  - Dia e Noite - Todos dias do Ano

  • Av. Paulista - São Paulo - SP - CEP 01311-000

  • Facebook
Ao utilizar este site, você concorda com o "Termo de Uso Justo", com fulcro na Lei 9307/96
e possíveis conflitos deverão ser discutidos no site da Conciliação Virtual no endereço www.conciliacaovirtual.org.
Cartório Virtual ® - Todos os Direitos Reservados - 2003 a 2019

Os logotipos apresentados neste site é para referência dos serviços prestados e/ou com o objetivo de atender resoluções, e fortalecer a Justiça Brasileira,

não representando qualquer responsabilidade comercial ou jurídica aos responsáveis pelos logotipos apresentados, sendo os mesmos proprietários das suas marcas.